Walter Carneiro Júnior visa fortalecimento do setor agrícola

Walter Carneiro Júnior incentivará a comercialização de produtos com valor agregado

 

 

Willams Araújo

O fortalecimento do setor agrícola por meio de incentivo a comercialização de produtos com valor agregado é uma das propostas da pauta a ser defendida por Walter Carneiro Júnior (PP), caso ele seja eleito em 2 de outubro como um dos oito deputados federais a representar Mato Grosso do Sul em Brasília, a partir de fevereiro.

Segundo ele, o produtor rural está cada vez mais aumentando sua produtividade e adotando práticas sustentáveis, especialmente em Mato Grosso do Sul que é um estado essencialmente agrícola.

“É a agricultura que move o nosso Mato Grosso do Sul, e queremos + Agro no nosso dia a dia, defende o candidato progressista que tem percorrido os bairros de Campo Grande e visitado todos os municípios do Estado a fim de ouvir sugestões da população e divulgar suas propostas para colocar em prática na Câmara dos Deputados, ano que vem.

Walter Carneiro Júnior observa que num cenário desafi­ador, em 2021, as exportações de produtos agrícolas tiverem um aumento de 24,51% em relação a 2019.

“Nós precisamos manter a competitividade da agricultura brasileira no mercado internacional, reduzindo a carga de impostos para a exportação e incentivando a comercialização de produtos com valor agregado”, sugere o candidato, que tem experiência por ter exercido importantes cargos públicos, inclusive na Câmara, onde foi assessor parlamentar, e na presidência da Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul).

Walter Carneiro concorre ao cargo na chapa que tem como candidato ao Governo do Estado, o ex-secretário de Estado de Infraestrutura, Eduardo Riedel (PSDB), e ao Senado, a deputada federal Tereza Cristina (PP-MS).

“No nosso mandato, vamos lutar para ampliar a exportação de itens não só dos grandes produtores, como também dos pequenos e médios, promovendo a imagem do país como um fornecedor de alimentos diferenciados”, acrescenta.

 

Em sua avaliação, o setor precisa de mais investimentos para ampliar e modernizar as unidades de produção, o que vai agregar valor ao que sai do campo.